Category Archive for "Editorial" | Cheia de Charme

Skip to Content

category

Category: Editorial

post

1 ANO DE CHEIA DE CHARME

Hoje, dia 24 de abril, o Cheia de Charme completa um ano.

Com dedicação toquei esse projeto pessoal que hoje é motivo de muitas alegrias. Falo do meu blog com o maior orgulho, afinal, BELEZA NÃO É FUTILIDADE. Falo de boca cheia da RAZÃO PELA QUAL ESSE BLOG EXISTE.

Sinceramente, eu não esperava tanto quando comecei a postar, não por não acreditar em mim ou na idéia, mas porque eu não pensei que teria tanto prazer em atualizar e cuidar desse espaço. Cuido mais do meu blog do que da minha casa!

Blogar sempre foi uma paixão e poder levar informação qualificada e verdadeira adiante é uma satisfação enorme, é o prazer que sempre busquei desde os tempos da faculdade de jornalismo. Hoje sou uma jornalista formada que compartilha aqui o que sabe sobre beleza, moda e comportamento. Minha profissão é parte do que sou e é parte do que esse blog representa quando o assunto é ética e conteúdo de qualidade e tenho certeza que é por causa dessa minha preocupação e da minha dedicação que esse blog tem feito tanto sucesso.

Nesse um ano, foram:

  • 335 posts publicados
  • 1.703 comentários

Obrigada a todas leitoras e a todas blogueiras que me apoiaram desde o começo. Blogueira eu sou faz tempo, mas esse blog tem apenas um aninho e nesse um ano muita coisa aconteceu e muitas felicidades e oportunidades esse blog me trouxe graças ao apoio, o compartilhamento de experiências e as visitas de vocês.

Além disso, quero agradecer também aos apoiadores do blog que tornaram muitas das promoções que aconteceram aqui possíveis e que seguem ajudando para que tudo aconteça, em especial: Homederm, Shop LuxoKinei, Koloss,  Anna Pegova,  Modelli, Audrei CasattiDe Sirius e No Stress.

Espero poder contar com vocês, leitoras e apoiadores, nesse ano que estar por vir e quero que saibam que também podem contar comigo no que eu puder ajudar. Sigo aqui firme e forte na busca pelo melhor!

Beijos charmosas

post

Refletindo – Somos Boas Consumidoras?

Esse não é um post de humor, não é um post de beleza, não é um post de moda, é um post de REFLEXÃO.

Os blogs dizem: compre isso, isso é bom. E não digo que o Cheia de Charme é diferente, porque não é. Se é bom, eu indico mesmo e muitas das visitas surgem pela busca da resposta para essa pergunta: é bom ou não é? Vale?

Como eu já disse nesse post, o principal objetivo desse blog é estimular e mostrar a importância do amor-próprio na vida das mulheres que me visitam. E como eu já disse nesse outro post, beleza não é futilidade. Os produtos são apenas algumas das ferramentas que as mulheres podem utilizar para parecerem melhores e, consequentemente, se sentirem melhores e se valorizarem mais. No entanto, sempre procuro destacar que não somos o que temos, mas que é saudável gostarmos do que vemos quando nos olhamos no espelho e, se for necessário que isso se alcance através de um determinado produto, que seja. Cada uma pela sua forma.

Por isso é importante refletirmos sobre o que somos e o que representamos como consumidoras. Vamos colocar a cabeça para funcionar e refletir um pouco sobre o que o ato de ir às compras pode representar?

Já aviso que estou cutucando a onça com a vara curta, mas tenho certeza que muitas vão gostar de refletir:

post

A Razão Desse Blog Existir

Eu criei esse blog por um único objetivo: estimular e mostrar a importância do amor-próprio na vida das mulheres que me visitam.

Tudo o que eu faço aqui tem esse propósito. Se eu mostro um produto, um novo tratamento estético, conto as novidade e falo das coisas que gosto, sempre estou pensando em estimular a mulherada a se cuidar, a se dar mais valor, a se amar.

Faço isso para que todas vejam que sempre há como melhorar, sempre há como se sentir melhor! E isso é MUITO FÁCIL se NOS PERMITIRMOS.

Temos que nos permitir um tempo para se maquiar, para passar um hidratante cheiroso, para usar um shampoo que nos deixe com o cabelo brilhoso e radiante, para lixar as unhas das mãos e pintá-las da cor mais bonita. Isso exige tempo? Exige. Mas vale cada segundo!

Quando você notar a diferença, enxergará que essa mudança está além da aparência, que esse sentimento de bem-estar vai irradiar e quem está ao seu redor passará a te ver de outra forma. Tudo isso acontece naturalmente, só tem que partir de nós, as mudanças que virão após serão apenas consequencia e eu garanto que só serão mudanças boas, para melhor.

Na adolescência, como grande parte das mulheres, senti a pressão das mídias envolta do padrão de beleza que é estipulado há muitos anos.

Depois de crescer e amadurecer esse pensamento, decidi me cuidar mais. Não me rendi a esses padrões, simplesmente notei que quando eu estava me cuidando  eu passei a me enxergar de outra forma, fiz isso por mim e não pelos outros. Eu me olhava no espelho e me sentia melhor porque gostava mais do que via, me sentia mais bonita. O exterior também se transformou e por essa eu não esperava, mas aconteceu: os outros passaram a me admirar mais por eu estar irradiando essa energia positiva.

Meninas! Eu sei que de vez em quando dá uma preguiça danada de passar um batom, que chegar em casa e tirar a maquiagem é um saco, mas depois que isso se torna hábito nem sabemos mais viver sem, depois que notamos a mudança que acontece dentro de nós tudo passa a acontecer naturalmente.

A beleza até pode nascer conosco, mas ela também pode nascer em nós a qualquer momento da vida. Se cuidem, se permitam e se amem!

É pra isso e por isso que esse blog existe. Espero que sigam curtindo esse espaço que faço com tanto carinho e que tem um propósito muito maior: o amor-próprio.

Eu me amo do jeito que sou e desejo que todas vocês se amem. Lembrem sempre que
O AMOR É LINDO
! Entenderam o duplo sentido? ;)

“Desejar ser o que não é ou, pior, desejar não ser o que é equivale a negar a si mesmo, mentir para a alma, anular sua essência.”
Leia mais sobre auto-estima aqui.

Beijos charmosas lindonas ;*

post

Pesquisa aborda o comportamento feminino nas ultimas décadas

Elas querem independência financeira, sucesso profissional, ser reconhecidas como boas mães e um “homem para chamar de seu”.
 
Na década de 20 as mulheres foram compelidas a encarar o mercado de trabalho enquanto seus homens eram enviados para a guerra. Desde então, elas ocuparam seus lugares na sociedade, conquistaram posições, mas ainda ganham menos 30% que os homens. (Ou seja, ainda temos muito pela frente).

Além disso, cerca de 20% assume já ter sofrido violência doméstica, assunto que só recentemente, com a Lei Maria da Penha, começou a ser desmistificado e sair do status de tabu. Paralelo a isso, as mulheres continuam buscando cada vez mais sua emancipação. Pesquisa realizada pela Rohde&Carvalho aponta que, em 2010, cerca de 32% das mulheres entre 30 e 60 anos afirmam precisar cada vez menos dos homens. (Eu chamo isso de amor-prório, meu bem. Espero que vocês estejam nesses 32%).

A maioria das mulheres brasileiras trabalha fora (76%) e é responsável por parte do orçamento familiar (73%) e 71% é independente financeiramente. Os dados também indicam que 58,9% das entrevistadas entre 20 e 30 anos faz serviços domésticos e 51,9% é responsável pelas compras do supermercado. E 78,9% destas mesmas mulheres declaram que considera importante ter “um homem para chamar de seu”. (E quem não quer uma companhia? quem diz que não é mentiroso).
           
A pesquisa mostra também que, para 36% das jovens entre 13 e 20 anos, ganhar dinheiro significa ter sucesso e que este fato é o que mais pesa na hora de escolher uma carreira. Em 2010, as mulheres ocuparam 56% das matrículas no ensino superior (Isso aí mulherada, todo mundo estudando! O conhecimento é o bem mais precioso que podemos ter), contra 44% das feitas pelos homens. No trabalho, 75,2% das jovens querem ocupar cargo de chefia e 92,7% querem estar em constante atualização intelectual. Para contrabalançar, ser reconhecida como boa mãe é importante para 89,1% delas, assim como estar com a família (92,7%).

As mulheres estão tomando a iniciativa na conquista. (Mas não envergonhem a categoria. Antes de tomar a iniciativa confiram se é comprometido #ficaadica) É a opinião de 77% das jovens brasileiras entre 13 e 20 anos de idade. Até mesmo por isso, buscam cada vez mais a beleza e preocupam-se com a estética, já que a pesquisa revela que 32,5% das mulheres entre 20 e 30 anos já fez cirurgia plástica e 44% pretende se submeter a alguma cirurgia estética após os 40 anos de idade(Se for para ser feliz, eu apoio).
 

Elas toleram mais a traição (54,6%) que os homens: 70,6% deles terminariam a relação caso descobrisse ser traído. (Bobinhas) Cerca de 38% das mulheres entre 20 e 30 anos conta  que já traiu e que, para elas, este comportamento é normal hoje em dia ( #vergonhaalheia que feio hein mulherada? eu não esperava por essa). Entre as mulheres brasileiras com mais de 30 anos, este índice é de 12%. Já as entrevistadas com até 30 anos (67%) revelam: “gostaria de “transar” mais”.  (Nesse item acredito que esteja inclusa a colocação: ”gostaria de ter mais tempo”. Transar seria uma das coisas que poderíamos fazer mais se tivéssemos mais tempo).
           
Os dados também mostram que as mulheres estão cada vez mais conectadas às novas tecnologias. Segundo levantamento realizado em 2011 com mulheres entre 20 e 30 anos, 80,5% delas estão conectadas nas redes sociais. O percentual sobe para 94,8% quando o perfil é de jovens brasileiras entre 13 e 20 anos. (Obrigada pela audiência ;D )
       
No entanto, a pesquisa aponta que a conquista pelo “lugar no mundo” não deixa de ter seus ônus. Ou seja, 55% das mulheres entre 25 e 55 anos se sentem sobrecarregadas com seus múltiplos papéis (uff), 69% sentem dores de cabeça ou no corpo frequentemente (Muitas vão mostrar esses dados para o seu amado e dizer: viu amor? não sou a única haha) e 64% se sentem estressadas.

“Para o futuro, as mulheres acreditam que os relacionamentos serão mais abertos, com as mulheres mais independentes que os homens e comandando a relação. Assim como as relações serão cada vez mais virtuais, menos formais e duradouras. A mulher contemporânea é camaleoa: muda a todo momento. Afinal, ela pode ser o que quiser”, finaliza a psicóloga Suzana Carvalho, responsável pela análise dos dados.

E aí meninas? Curtiram a pesquisa? Vale muito para refletir o nosso papel na sociedade atual, né?

Beijos chamosas intelectuais ;)